CRP-03 | Nota de repúdio contra violência homofóbica sofrida por estudante da UNIVASF
/home/crp03/public_html/wp-content/themes/crp-03/single.php
Início  →  Notícias  →  Nota de repúdio contra violência homofóbica sofrida por estudante da UNIVASF
Blog
Blog

Nota de repúdio contra violência homofóbica sofrida por estudante da UNIVASF

Os Conselhos Regionais de Psicologia de Pernambuco (CRP-02) e da Bahia (CRP-03) vêm manifestar repúdio às violências de cunho homofóbico sofridas pelo estudante de psicologia da UNIVASF, Anderson Veloso Leal no dia 30 de Abril na cidade de Petrolina, Pernambuco. Atos como este, que acontecem diariamente, não só no Brasil, mas no mundo inteiro, com pessoas gays, lésbicas, bissexuais, travestis e trans, ainda provocam escárnio, mas também reforçam a necessidade de se lutar a favor da vida e da garantia dos princípios fundamentais que há muito visam garantir a todas as pessoas uma existência com dignidade e em igualdade de condições.

A Psicologia enquanto saber-fazer, no seu compromisso ético social, deve reiterar o respeito e valorização à pluralidade humana nas suas diversas formas de subjetivação e manifestação, onde a diversidade das expressões afetivo-sexuais são legitimadas como um direito humano fundamental. A crescente expressão do conservadorismo na política reflete os discursos e atitudes fascistas que contribuem para a crescente onda de violência que vivenciamos.Nesse sentido,convidamos a categoria profissional e a sociedade a implicarem esforços na luta contra a LGBTfobia. A LGBTfobia machuca, adoece e mata.

O CRP-02 e o CRP-03, como instâncias de fiscalização, orientação, disciplina e regulamentação comprometidas ética e politicamente com a transformação social e com a promoção e defesa dos direitos humanos, manifestam apoio ao estudante Anderson Veloso Leal, assim como a todas/os pessoas gays, lésbicas, bissexuais, travestis e trans que cotidianamente são vítimas de LGBTfobia. E conclama por justiça precisa ser de todas e todos que desejem uma sociedade com igualdade de direitos.