SAÚDE MENTAL, GÊNERO E DISPOSITIVOS: CULTURA E PROCESSOS DE SUBJETIVAÇÃO | CRP-03
/home/crp03/public_html/wp-content/themes/crp-03/single.php
Início  →  Novas Aquisições  →  SAÚDE MENTAL, GÊNERO E DISPOSITIVOS: CULTURA E PROCESSOS DE SUBJETIVAÇÃO
SAÚDE MENTAL, GÊNERO E DISPOSITIVOS: CULTURA E PROCESSOS DE SUBJETIVAÇÃO
SAÚDE MENTAL, GÊNERO E DISPOSITIVOS: CULTURA E PROCESSOS DE SUBJETIVAÇÃO

SAÚDE MENTAL, GÊNERO E DISPOSITIVOS: CULTURA E PROCESSOS DE SUBJETIVAÇÃO

Saúde mental, gênero e dispositivos: cultura e processos de subjetivação

Saúde mental, gênero e dispositivos: cultura e processos de subjetivação

Autora

Appris

Publicação

2018

Páginas

301

Disponibilidade

Disponível na Biblioteca CRP-03

Forma de Aquisição

Doação

Instituição

Autora ZANELLO, Valeska

Descrição:

[Total: 0    Média: 0/5]

Resumo:

Por que mulheres têm tantas queixas na esfera do amor? De se sentirem não amadas, de não receberem tanto afeto quanto gostariam ou sentem que oferecem e, um fato que sempre me encucou, simplesmente por estarem sozinhas? Por que quando não têm alguém se sentem ?encalhadas?? Por que mulheres que são mães carregam tanta culpa? E as que não são, por que se sentem na obrigação de estarem disponíveis a cuidar dos demais? E, de outro lado, por que os homens, diferentemente das mulheres, se preocupam-se tanto com o seu desempenho no trabalho e na vida sexual? Por que certas experiências, como, por exemplo, o desemprego, a aposentadoria ou a impotência, são tão ameaçadoras para eles enquanto homens?” Essas são as questões que, nas palavras da Prof.a Dr.a Valeska Zanello, nortearam a escrita deste livro. Como ela mesma ressalta: “Um ponto então se delineou claramente para mim: o sofrimento apresenta-se de forma gendrada. Em culturas sexistas, como o Brasil, tornar-se pessoa é tornar-se homem ou mulher, em um binarismo que ainda estamos longe de desconstruir. Assim, como conceber categorias analíticas que nos amparem a pensar, a escutar e a intervir clinicamente levando em consideração as especificidades de gênero? Quais são os mecanismos que moldam esses processos de subjetivação? E que pedagogias afetivas são utilizadas?”. O presente livro é fruto de 20 anos de experiência na clínica psicoterápica e 13 em pesquisas na área de saúde mental, sob a perspectiva de gênero, por parte da autora. Valeska Zanello, professora adjunta do Departamento de Psicologia Clínica da Universidade de Brasília, tem se dedicado a estudar e compreender os processos de subjetivação que se configuraram historicamente em nossa cultura, no Brasil, e como, atualmente, homens e mulheres se subjetivam, sofrem e se expressam de formas diferentes.
Fonte: https://www.livrariacultura.com.br/p/livros/psicologia/saude-mental-genero-e-dispositivos-cultura-e-processos-de-subjetivacao-2000049373