VIDAS LIXADAS: CRIME E CASTIGO NAS NARRATIVAS DE TRAVESTIS E TRANSEXUAIS BRASILEIRAS | CRP-03
/home/crp03/public_html/wp-content/themes/crp-03/single.php
Início  →  Novas Aquisições  →  VIDAS LIXADAS: CRIME E CASTIGO NAS NARRATIVAS DE TRAVESTIS E TRANSEXUAIS BRASILEIRAS
VIDAS LIXADAS: CRIME E CASTIGO NAS NARRATIVAS DE TRAVESTIS E TRANSEXUAIS BRASILEIRAS
VIDAS LIXADAS: CRIME E CASTIGO NAS NARRATIVAS DE TRAVESTIS E TRANSEXUAIS BRASILEIRAS

VIDAS LIXADAS: CRIME E CASTIGO NAS NARRATIVAS DE TRAVESTIS E TRANSEXUAIS BRASILEIRAS

Vidas lixadas: crime e castigo nas narrativas de travestis e transexuais brasileiras

Vidas lixadas: crime e castigo nas narrativas de travestis e transexuais brasileiras

Autora

Devires

Publicação

2018

Páginas

273

Disponibilidade

Disponível na Biblioteca CRP-03

Forma de Aquisição

Doação

Instituição

Editora Devires

Descrição:

[Total: 0    Média: 0/5]

Resumo:

O livro busca compreender como se dão as experiências sociais de criminalização das travestis, como grupo subalternizado, em relação ao duplo “crime/castigo”; quer dizer, suas experiências no chamado “mundo do crime” e a sociabilidade violenta a que estão submetidas e que as faz mais facilmente detidas pela polícia, bem como suas capturas pelas instituições de privação da liberdade.
A intenção é compreender como esses marcadores funcionam para produzir a própria prisão e o sujeito preso, isto é, como contribuem para a constituição institucional e social do crime enquanto um processo social e de sujeitos e categorias de sujeitos aprisionáveis, por meio de processos de incriminação, criminalização, sujeição e seleção. Defende-se a tese de que esses marcadores sociais explicitam e especializam o processo de subalternização de determinadas classes e grupos, expresso não apenas pela dimensão da violência, da humilhação, da perda de direitos e de toda sorte de privações, como também pela dimensão da desobediência, do deboche, da luta e da resistência.
A partir das narrativas de vida recolhidas sobre os significados produzidos pelas entrevistadas a respeito de noções como identidade de gênero, pobreza, trabalho sexual e crime, pôde-se perceber que existe um vasto campo de significações desde a enunciação da palavra “travesti” que conectam essa identidade à subalternização e à violência, constituindo aquilo que passa a ser entendido como vida precária – cujas mortes não merecem ser choradas pelo conjunto da sociedade e cuja qualidade vale menos no processo de produção e reprodução social. Já na perspectiva dos estudos críticos na área do serviço social sobre a categoria da subalternidade, constatou-se que a realidade de vida das travestis expressa a contraprova histórica desta tese, marcada pelo contrapelo que é ao mesmo tempo viver o conformismo e a resistência.
Fonte: https://www.queerlivros.com.br/vidas-lixadas-crime-e-castigo-nas-narrativas-de-travestis-e-transexuais-brasileiras?utm_source=SmartHint&utm_campaign=SmartHint-Recs&utm_medium=BestSellersInCategory