Home > Mídias CRP03 > Vídeos Biblioteca > BVS Psicologia: gestão compartilhada entre bibliotecários e psicólogos

BVS Psicologia: gestão compartilhada entre bibliotecários e psicólogos

terça-feira, 25 de agosto de 2015

Com 13 anos de existência, a BVS Psicologia (BVS-Psi) foi uma das primeiras a ser certificadas e manteve sua certificação, ampliando seu leque de atuação e se inserindo no fazer da psicologia brasileira. A seguir apontaremos alguns elementos que vem assegurando o sucesso da rede.

Gestão integrada da BVS-Psi: a BVS-Psi é fruto da parceria entre o Conselho Federal de Psicologia (CFP) e a Biblioteca do Instituto de Psicologia da Universidade de São Paulo (IP/USP), o que lhe atribui um caráter de apoio ao profissional, que tem no CFP o seu órgão regulamentador, e no IP/USP, o apoio necessário ao ensino, pesquisa e extensão. O diálogo com esses dois atores fortes na psicologia brasileira, apoiados nas sociedades e associações da área, assegurou à BVS Psicologia o trabalho integrado entre bibliotecários e psicólogos.

Trabalho em rede: o trabalho cooperativo da Rede Brasileira de Bibliotecas da Área de Psicologia (ReBAP) possibilitou a integração dos profissionais das diversas regiões do Brasil e ampliou o poder de penetração da BVS-Psi nos mais longínquos lugares do país. O garimpar da informação em pontos distantes e estratégicos pelo profissional da informação e a capacitação para o uso da Biblioteca Virtual de Psicologia garantem ao estudioso, pesquisador e psicólogo o conhecimento da informação atualizada e sustentam os estudos, pesquisas e a tomada de decisão.

Foi por meio do esforço coletivo e comprometido que temos conquistados:

1) Visibilidade da produção latino-americana de psicologia a partir da publicação de artigos completos no Portal de Revistas Científicas de Psicologia (PePSIC). O PePSIC publica atualmente 133 títulos de 9 países da América Latina (Brasil, Chile, Colômbia, México, Argentina, Uruguai, Peru, Costa Rica e Paraguai). Em 2013, foram quase 6 milhões de acessos e mais de 9 milhões de visualizações de página.

2) Controle da produção nacional publicada em revistas científicas. Indexamos 123 títulos de revistas na base de dados Index Psi Periódicos, a segunda de maior visibilidade.

3) Reunião das dissertações e teses de Psicologia em uma única base de dados. A base possui 7.308 trabalhos reunidos.

4) Publicação em acesso aberto de 150 livros, inclusive dos pioneiros da Psicologia brasileira.

5) Terminologia utilizada para a indexação e recuperação da informação com 6.458 termos em português, inglês e espanhol.

6) Vídeos com 923 filmes e depoimentos de apoio ao ensino e pesquisa.

7) Mais de 26 estratégias de busca prontas que facilitam a recuperação da informação pelo usuário inexperiente.

8) Plano de marketing em operação constante que possibilitou a realização de exposições itinerantes entre as bibliotecas da ReBAP e cinco versões do Dia Nacional da BVS-Psi, evento cujo objetivo é promover o uso da Biblioteca Virtual pelos membros da ReBAP a partir de cursos, palestras, seminários, workshops e panfletagem.

9) Uso declarado da BVS-Psi como fonte de informação na metodologia dos trabalhos na área de Psicologia. Foram localizados 336 documentos (entre artigos científicos, teses/dissertações, TCCs e trabalhos em eventos) através do Google Acadêmico.

10) O Google Analytics computou quase 330 mil acessos à BVS-Psi e quase 420 mil visualizações de página. Vale lembrar que, ao contrário do PePSIC, a BVS-Psi não é recuperável pelo Google.

Foram muitos os desafios encontrados ao longo da construção e manutenção da BVS-Psi, ao longo desses anos. Destacamos alguns desafios nos quais temos trabalhado no momento.

1) A tecnologia utilizada na LILDBI. A plataforma antiga e obsoleta dificulta a captura de dados por harvesting e impede o compartilhamento de dados entre os colaboradores da rede.

2) Necessidade de realinhamento das políticas em relação ao modelo da BVS-Psi ULAPSI, cujo projeto utilizou o modelo da BVS-Psi Brasil para expansão do projeto nos demais países da América Latina.

3) Dificuldade de gestão mais participativa entre os integrantes da ReBAP.

Fonte: brasil.bvs.br